Atriz de Pantanal desabafa: ‘Dizer que não sofri assédio é grande mentira’

Intérprete de Juma em Pantanal, Alanis Guillen fez uma análise sobre a importância de abordar questões como o feminismo. Para a atriz, toda m u l h e r já sofreu ou vai sofrer algum tipo de importunação ao longo da vida. “Dizer que eu não sofri assédio é uma grande mentira”, lamentou. 

“O assédio existe das formas mais bem estruturadas e veladas. Acho que toda m u l h e r sofreu, sofre e infelizmente sofrerá. O feminismo está aí pra gente lutar para que o respeito prevaleça”, reforçou ela, em entrevista à revista Glamour.  

Juma, mesmo crescendo praticamente a parte do mundo em uma tapera, despertou a atenção –e não só de forma positiva– dos homens no folhetim de Bruno Luperi. Ela sofre com a obsessão de José Lucas (Irandhir Santos), mas mesmo assim tenta não perder a sua liberdade.

Alanis acredita que essa busca a aproxima da personagem. “Às vezes em que mais me sinto bonita é quando estou com meu coração alegre, apaixonada pela vida e por mim, e o estético é uma consequência”, explicou a atriz. “Acredito na beleza de estar em paz comigo, com minhas escolhas, com a minha vida”, acrescentou. 

“Sou de comer bem, de beber muita água. Mas o chocolate dá hormônios maravilhosos da alegria”, admitiu, rindo. “Então, mais uma vez estou falando de liberdade, de respeitar as próprias vontades”. 

Alanis também explicou que interpretar a personagem a levou a entender outras problemáticas para além do feminismo, como a questão ambiental. “Estou nesse processo de entendimento, me colocando com os olhos mais atentos e com a escuta mais aberta”, avaliou. ” 

“Quebrei algumas bolhas, pois estar ali [no Pantanal] de fato é outra visão de tudo”, continua, lembrando que sua percepção sobre o local em que a novela é gravada mudou com o passar do tempo. “Da primeira vez, fui com meu olhar muito ingênuo para lá e acabei arrebatada por diversas situações que quebraram um pouco a minha ingenuidade. Acho que a gente se separa um pouco das questões ambientais, um grande erro, porque ela é nossa fonte de vida”, refletiu. 

“Fui para o Pantanal achando que ia estar no paraíso, mas vi que todas aquelas terras têm donos, os pastos, a quantidade de bois, e todo o mecanismo daquele lugar. O caminho chegando era lindo, mas isso até você começar a ver carvão, tudo queimado, aquela secura, calor, bichos em busca de alimento e água”, lembrou. 

Não se esqueça de curtir nossa página no Facebook para mais notícias do BAC NEWS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s