Globo contraria censura do governo e mantém filme de Gentili no catálogo

O Globoplay e o Telecine classificaram como censura o pedido do Ministério da Justiça e Segurança Pública de suspender Como Se Tornar o Pior Aluno da Escola (2017) de seus catálogos de filmes.  

As plataformas de streaming do Grupo Globo, em nota, afirmaram nesta terça-feira (15) que não vão remover o longa de seu portfólio. “A decisão ofende o princípio da liberdade de expressão, é inconstitucional e, portanto, não pode ser cumprida.” 

“O Globoplay e o Telecine estão atentos às críticas de indivíduos e famílias que consideraram inadequados ou de mau gosto trechos do filme Como Se Tornar o Pior Aluno da Escola, mas entendem que a decisão administrativa do Ministério da Justiça de mandar suspender a sua disponibilização é censura. A decisão ofende o princípio da liberdade de expressão, é inconstitucional e, portanto, não pode ser cumprida”, ressaltaram as empresas. 

O Grupo Globo afirmou ainda que defende as diversas opiniões sobre o conteúdo do filme, mas reforça o livre arbítrio dos assinantes quanto a escolha dos conteúdos assistidos. “As plataformas respeitam todos os pontos de vista, mas destacam que o consumo de conteúdo em um serviço de streaming é, sobretudo, uma decisão do assinante –e cabe a cada família decidir o que deve ou não assistir.” 

Lançado em 2017, a comédia com Fábio Porchat e Danilo Gentili no elenco tem classificação indicativa de 14 anos e está dentro das normas do governo Jair Bolsonaro, ainda que lançado originalmente durante a gestão de Michel Temer. “O filme em questão foi classificado, em 2017, como apropriado para adultos e adolescentes a partir de 14 anos pelo mesmo Ministério da Justiça que hoje manda suspender a veiculação da obra.” 

Disponível na Netflix, YouTube, AppleTV+ e Amazon Prime Video, o longa foi acusado pela deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) de normalizar o crime de ped***ia. O não cumprimento da suspensão dos serviços de streaming resultará em uma multa diária de R$ 50 mil, conforme determinou Anderson Torres, ministro da Justiça e Segurança Pública. 

Danilo Gentili e Fábio Porchat, principais alvos das críticas feitas por Zambelli, se posicionaram contra as acusações. O ex-Porta dos Fundos reforçou a natureza ficcional da produção e afirmou que todos estavam fazendo personagens: “Geralmente, o filme tem o mocinho e o vilão. O vilão é um personagem mau. Que faz coisas horríveis.” 

Já o apresentador do programa The Noite, do SBT, declarou em entrevista para a Jovem Pan que a censura do filme é uma estratégia de popularidade dos apoiadores de Bolsonaro em ano de eleição. Também apontou as acusações como uma cortina de fumaça para os problemas enfrentados pela atual gestão, como o aumento dos preços da gasolina. 

Não se esqueça de curtir nossa página no Facebook para mais notícias do BAC NEWS.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s