Monark faz mea-culpa e reclama de linchamento desumano: ‘Posso ter errado’

Dois dias após ser demitido do Flow Podcast, o apresentador e youtuber Bruno Aiub, o Monark, afirmou nesta quinta-feira (10) que sofre uma espécie de massacre após fazer apologia ao nazismo. “Posso ter errado na forma como eu me expressei, mas o que estão fazendo comigo é um linchamento desumano.”

“Reitero que um nunca apoiei a ideologia nazista e que a considero repugnante. A ideia defendida é que eu prefiro que o inimigo se revele do que fique nas sombras”, disse Aiub, em seu perfil oficial no Twitter.

Na edição de segunda passada (7) do programa Flow Podcast, o youtuber entrevistava os deputados federais Tabata Amaral (PSB-SP) e Kim Kataguiri (DEM-SP) quando defendeu a liberação da criação de um partido nazista no Brasil.

“Se um cara quisesse ser antijudeu, eu acho que ele tinha o direito de ser. Você vai matar quem é antijudeu? Ele não está sendo antivida, ele não gosta dos ideais [dos judeus]”, justificou Monark, que foi contestado por Tabata. “O judaísmo é uma identidade, uma religião, uma raça”.

A declaração do youtuber gerou repercussão negativa em vários setores da sociedade, principalmente na comunidade judaica, que pressionaram a empresa responsável pela produção do podcast a tomar alguma atitude.

A Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro, que cedeu os direitos do Campeonato Carioca para o canal do YouTube e outros influenciadores da Twitch, também foi cobrada. A Ferj decidiu suspender os direitos de transmissão da competição ao Estúdios Flow, responsável pelo podcast Flow Sport Club, do qual Monark era cocriador e apresentador.

A entidade afirmou que é defensora da igualdade, do respeito e contrária a qualquer forma de preconceito. Disse ainda que os crimes contra a humanidade cometidos pelos nazistas causam horror a qualquer um que preze pela vida.

Anônimos e famosos criticaram os comentários de Monark. O ex-jogador Zico, Lucas Silveira (da banda Fresno), Tico Santta Cruz (Detonautas), Sidoka, Lito Sousa (do Aviões e Músicas), e Iberê Thenório (do Manual do Mundo) foram algumas personalidades que pediram a remoção dos vídeos das entrevistas que haviam dado para o Flow Podcast.

Empresas como Fatal Model, Flash Benefícios e Finclass desfizeram os acordos publicitários que tinham com o Flow. A rede de vestuário Insider Store também anunciou nas redes sociais que havia desembarcado do time de apoiadores do canal e ainda exigiu a saída de Monark do programa, o que aconteceu poucas horas depois.

Em nota, o Estúdios Flow comunicou que Bruno Aiub tinha sido desligado da empresa. Ele e Igor Coelho comandavam a produtora. O Estúdios Flow é um grupo com companhias como a Flow Produção de Conteúdo Audiovisual e a IB Holding de Participações, sendo que Monark é um dos sócios administradores.

“Esta decisão fora tomada em conformidade com o que determinam todos os preceitos de boa prática, nossa visão e missão, as quais o Estúdios Flow compactua e segue, lamentando profundamente o episódio ocorrido”, informou a empresa.

“Aos nossos fãs, convidados, ouvintes, equipe e apoiadores, fica a mensagem de que iremos superar essa situação contribuindo para uma sociedade mais justa e transparente, o que sempre foi nosso objetivo, exprimindo opiniões francas e livres, com a liberdade de expressão amparada por preceitos legais”, alegou o Flow.

Não se esqueça de curtir nossa página no Facebook para mais notícias do BAC NEWS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s