Celular de Alec Baldwin vai servir de prova para morte de diretora em set

Alec Baldwin terá que entregar seu celular à polícia após a morte da cinematógrafa Halyna Hutchins (1979-2021). Investigadores afirmam que o aparelho pode conter provas importantes para a investigação que busca esclarecer o que aconteceu de fato no set do filme Rust, local onde o ator disparou um tiro acidental que matou a colega de trabalho e feriu o diretor do longa, Joel Souza.

O Departamento de Polícia de Santa Fé solicitou a um juiz do Novo México a assinatura de um mandado de busca e apreensão ao telefone móvel do artista. De acordo com o site TMZ, o pedido foi aceito.

Segundo a publicação, Baldwin assumiu que havia trocado mensagens com a armeira Hannah Gutierrez-Reed. As informações indicam que os dois haviam conversado sofre armas e facas usadas no set, momento em que o ator solicitou uma “arma maior”.

Relembre o caso

Em 21 de outubro, Alec Baldwin disparou acidentalmente uma arma carregada durante um ensaio para o filme Rust. O tiro matou a diretora de fotografia Halyna Hutchins e feriu o diretor do longa, Joel Souza. O ator nega esta versão e diz que nunca apertou o gatilho.

A polícia confiscou os itens do set e os encaminhou para o laboratório do FBI , a polícia federal dos EUA. Um dos principais investigados é David Hills, assistente de direção e responsável por lidar com as armas no set –ele confirma a versão de que Baldwin nunca apertou o gatilho.

Já em 9 de dezembro, o ator usou as redes sociais para negar a teoria de que havia ambiente tóxico e más condições no set onde ocorreu o acidente. Ele publicou uma carta assinada por 24 funcionários da equipe de produção do filme. “Reconhecemos que nenhum set é perfeito e, como qualquer produção, Rust tinha áreas de brilho e áreas que eram mais desafiadoras”, diz o comunicado conjunto.

“Embora estejamos firmes com nossos sindicatos e apoiemos fortemente a luta por melhores condições de trabalho em nosso setor, não sentimos que esta foi uma representação das condições contra as quais nossos sindicatos estão lutando.”

A carta diz que os “poucos descontentes” membros da equipe que abandonaram o filme antes da tragédia “não representam a opinião de todos”. O trecho diz respeito aos funcionários que pediram demissão da produção alegando promessas não cumpridas, jornadas de trabalho de 12 horas e pagamentos aquém do desejado.

As descrições de Rust como um local de trabalho caótico, perigoso e explorador são falsas e desviam o foco do que é mais importante: a memória de Halyna Hutchins e a necessidade de encontrar alternativas modernas para armas de fogo obsoletas e práticas de segurança da indústria.

Não se esqueça de curtir nossa página no Facebook para mais notícias do BAC NEWS.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s