Estudo aponta incidência maior de covid-19 entre professores no Brasil

De acordo com estudo recente idealizado por pesquisadores da Rede Escola Pública e Universidade (Repu) indicou que a incidência de covid-19 entre professores das escolas estaduais de São Paulo no início deste ano foi maior do que a registrada na população em geral.

Os resultados apontam que que a incidência da doença entre os profissionais da educação foi o triplo (2,92 vezes) da registrada na população de 25 a 59 anos do estado de São Paulo, que foi utilizada como base de comparação – desta forma, conclui-se que os professores foram 192% mais infectados que a população em geral, naquela faixa etária.

Foram acompanhadas 554 escolas da rede estadual paulista e selecionadas para análise 299 que forneceram os dados sobre casos de covid-19 entre professores no período de 7 de fevereiro a 6 de março – correspondente a quatro semanas epidemiológicas. O levantamento constatou ainda que, no período analisado, o crescimento da incidência de covid-19 entre os professores nas escolas monitoradas foi de 138%, ante 81% do registrado na população comparada.

Os dados constam em nota técnica elaborada pelos professores Ana Paula Corti e Leonardo Crochik, do Instituto Federal de São Paulo (IFSP), Débora Cristina Goulart, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), e Fernando Cássio e Salomão Ximenes, ambos da Universidade Federal do ABC (UFABC).

De acordo com a rede, houve pedido ao governo estadual dos dados oficiais de infecção especificamente em professores e funcionários, inclusive via Lei de Acesso à Informação, mas o pedido não foi respondido. Com isso, o grupo utilizou dados coletados pelos docentes das subsedes da Apeoesp – sindicato dos professores da rede estadual – com a finalidade de acompanhar o quadro da pandemia nas escolas do estado após a retornos às atividades presenciais em 8 de fevereiro.

Com o resultado em mãos, os pesquisadores apontaram que “a retomada das atividades escolares presenciais não pode ser considerada segura nas escolas da rede estadual, ao contrário do que anuncia o governo de São Paulo”.

A nota aponta ainda que houve “problemas metodológicos e conclusões infundadas” nas informações sobre a infecção nas escolas divulgadas pela Secretaria da Educação do estado no boletim epidemiológico.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s